Domingo, 23 de Janeiro de 2022
27°

Poucas nuvens

Uiraúna - PB

Dólar
R$ 5,45
Euro
R$ 6,18
Peso Arg.
R$ 0,05
Geral Economia

Senado aprova nova prorrogação de desoneração para 17 setores

Lei que cria o dispositivo perderia validade em 31 de dezembro

09/12/2021 às 23h47
Por: Portal Click83 Fonte: Agência Brasil* - Brasília
Compartilhe:
- Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil
- Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

O Senado Federal aprovou nesta quinta-feira (9) projeto de lei (PL) 2.541/21, que prorroga por dois anos a desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia. O texto segue para a sanção presidencial.

Apesar de alguns senadores terem argumentado sobre a inclusão de certas atividades empresariais, o PL não sofreu alterações. Caso houvesse algum acréscimo, o projeto retornaria para a Câmara para ser novamente apreciado. O relator, o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB), alegou que havia a necessidade de garantir a renovação antes do fim do ano. “Estamos diante da iniquidade temporal. O dia 31 de dezembro é o prazo fatal”, afirmou em plenário.

A desoneração aprovada engloba 17 setores, entre eles: comunicação, tecnologia da informação (TI), transportes coletivos urbanos rodoviários e metroviários, construção civil e têxtil e infraestrutura, fabricação de veículos e derivados e outros.

A desoneração de folha é uma forma de mudar a contribuição paga por empresas para incentivar o crescimento de setores e a geração de empregos. Ao invés da contribuição regular de 20% sobre a folha de salários, as empresas desoneradas pagam apenas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta gerada no ano. A estimativa do Ministério da Economia é que 6 milhões de empregos formais sejam preservados com a desoneração.

LEIA TAMBÉM:

>> TSE libera Pix para arrecadação de recursos nas eleições

>> Iphan declara o forró como Patrimônio Cultural do Brasil

>> Aumento da Selic afeta poupança, financiamento imobiliário e FGTS

Durante a sessão, senadores argumentaram que as sucessivas prorrogações da lei de desoneração (lei 12.546 de 2011) são nocivas, já que não constituem uma regra permanente para os setores e comprometem o planejamento orçamentário das empresas.

Com as desonerações, a estimativa é que o governo deixe de arrecadar cerca de R$ 10 bilhões em 2021.

*Com informações da Agência Senado.
Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Ele1 - Criar site de notícias